Google

Crônicas Ocultas do Clã DBOF: Cap8 pt3

Capítulo VIII: Dois cavalheiros se aproximam

Mauricio sentiu o celular tocar no bolso e o pegou. Era uma mensagem de Julia lhe lembrando-lhe do pôster que teriam que apresentar no Congresso de Medicina. Ele sorriu ao ver sua foto. Estava uma correria tão grande que ele quase esqueceu-se dela. Fechou os olhos e mentalmente mandou um beijo para ela.

Onil estava ao seu lado e viu a foto de Julia.

– É a sua namorada? –Onil perguntou timidamente.

Mauricio deu um largo sorriso.

– Pode-se dizer que sim –Ele disse virando-se para Onil.

Onil não entendeu muito bem o que ele quis dizer, entretanto não perguntou mais nada. Ele estava na cabine da frente ao lado do piloto. Mauricio estava atrás, olhando os mapas do computador de bordo.

– Onil, pelos meus cálculos eles devem estar chegando agora, se prepare que em seguida será a gente.

Entreolharam-se um instante e então voltaram as suas funções.

Dario, Will e Adriana estava chegando a seu destino.

– Contemplem, a Última Fortaleza! –Dario disse solene.

Realmente parecia uma fortaleza medieval, com um grande muro em volta e um castelo no meio.

O helicóptero pousou dentro dos limites do mudo e eles saíram apressadamente. Um vento frio soprou fazendo-os tremer.

– Frio nessa época do ano? –estranhou Will.

– É o sistema de defesa, mantém tudo aqui resfriado para que mesmo após o superaquecimento das explosões, as máquinas não parem de funcionar –Dario disse enquanto tomava a frente da comitiva. Daqui há pouco estará nevando lá fora.

Adriana avistou outras pessoas de terno chegarem em grandes carros por um abertura no muro, bem como outros helicópteros pousarem.

Veja também:  Crônicas Ocultas do Clã DBOF: Cap8 pt4

– Acho que já chegaram todos –Dario falou olhando na mesma direção que ela.

– Só isso? Na deve ter mais que 1000 pessoas lá em baixo –Adriana disse assustada.

– É o preço que vamos pagar para a sobrevivência da espécie –Dario respondeu olhando no fundo de seus olhos.

– Acho que é um preço caro de mais –Ela disse visivelmente emocionada.

– Não vou ficar passando a mão na sua cabeça, Adriana –Dario falou firme. O mundo nunca foi justo e não é agora, à beira da destruição, que ele deveria ser.

Adriana não respondeu. Willian apenas observara a conversa.

Dario virou-se para seu assessor e perguntou algo baixinho.

– Sim, senhor, ela já chegou –o assessor respondeu.

– Excelente, traga para mim –Dario disse com um tapinha nas costas dele, virando-se para Willian e Adriana. Vocês conhecerão uma pessoa muito especial para mim hoje.

– Quem? –perguntou Adriana.

– Descobrirá em breve minha querida – Dario respondeu,

Seguiram por um corredor que dava em uma espaçosa suíte ao abrir a porta, Dario ouviu seu nome ser chamado no corredor. Era seu assessor que vinha correndo esbaforido.

– Senhor, um de nossos helicópteros está vindo da base 9 –O assessor disse ao para em frente a Dario. O piloto desligou o aparelho de rastreamento.

– Creio que Mauricio não é tão esperto assim, se não percebeu que o rádio está desligado –Dario disse apoiando o queixo no punho. Abata.

– Sim, senhor –O empregado disse e saiu pelo corredor.

Willian sorria. Adriana queria impedir Dario, contudo faltaram-lhe as palavras. Dario levou-os para dentro da suíte.

Veja também:  Crônicas Ocultas do Clã DBOF: Cap 4 pt 3

Onil avistou a fortaleza. Era enorme, com várias torres e pontes cobertas entre elas.

– Ainda não fecharam o domo, ótimo – o piloto disse. Espero que eles me aceitem ou teremos problemas.

– Já temos problemas desde o momento em que você desligou o rádio –Mauricio disse olhando face a face para o piloto. E ainda assim, está tudo planejado. Onil, venha para cá.

Onil seguiu Mauricio e saiu da cabine. Este estava com uma mochila e deu outra para o amigo.

– O que vocês vão fazer? – o piloto perguntou.

– Tem outra pra você aqui –Mauricio pegou uma mochila e jogou no banco do co-piloto. 3, 2, 1… lançaram! –ele disse olhado o computador de bordo.

– Estão atirando na gente? – Onil perguntou atônito.

– Vamos pular agora! –abriram a porta lateral. É só contar até 10 e puxar essa cordinha. Entendeu, Onil? –deu um tapinha no ombro dele, respirou fundo e pulou. Gerônimo!

– Ele é maluco –Onil disse e logo em seguida pulou também.

O piloto tentou deixar o manche e pegar o pára-quedas ao seu lado, contudo fora tarde de mais.

O helicóptero foi atingido no momento em que Mauricio abriu o pára-quedas. Estava descendo rápido demais e esta ação o freou bruscamente. Olhou para cima e para os lados procurando Onil e o viu abrir o equipamento também. O vento frio em seu rosto não estava lhe fazendo bem. Não conseguia manter os olhos abertos. Caiu na areia da praia com um estrondo. A areia parecia muito mais fria do que poderia ser normalmente, contudo ainda não enxergava bem o suficiente para saber o que havia. Quando seus olhos começaram a melhorar, viu que era branco de mais para ser areia.

Veja também:  Crônicas Ocultas do Clã DBOF: Cap10 pt1

– Mauricio!

Olhou para trás e viu que Onil caíra na água. Deixou a mochila e eaiu em disparada, tropeçando na já alta camada de neve e pulou na água congelante. A cada braçada que dava era como se centenas de finas agulhas lhe adentrassem a pele. Não sentia mais a mão esquerda e parou de nadar. Queria gritar para localizar o amigo, mas a voz não saia. Avistou o pára-quedas e nadou em sua direção. Ao chegar, retirou as alças do colete e o puxou com toda a força, nadando com apenas as pernas e um braço, pois o outro o segurava. Mauricio não fazia idéia de há quanto tempo estava na água, mas pareciam ser horas intermináveis. Foram apenas 5 minutos. Onil estava azul e gelado, o doutor ficou muito assustado e nadou freneticamente até a areia.

Continua…