Google

Death Note – Quando se estraga a melhor idéia

O anime e mangá Death Note é considerado por muitos o melhor já produzido, no entanto este título deve ser usado com parcimônia. Death Note tocou a perfeição, no entanto preferiu se entregar a clichês, enrolamentos e falta de criatividade.

Death Note all character

Death Note foi criado pelo roteirista Tsugumi Ohba e desenhado por Takeshi Obata, publicado de 2004 a 2006 na Shonen Jump, num total de 108 capítulos, posteriormente animados em 37 episódios pela Madhouse. Para iniciarmos a conversa cabe aqui um resumo da história:

O texto a seguir contém revelações do enredo (spoilers).

Em Death Note, Light (Raito) Yagami é o estudante mais brilhante do Japão, talvez a pessoa mais inteligente do país. Entediado com sua vida sem obstáculos, ele se depara um dia com o caderno da morte, Death Note, e descobre o poder que o caderno tem de matar qualquer pessoa que tenha seu nome escrito no caderno e o rosto na mente do escritor, podendo até mesmo indicar a causa mortis. Em contanto com Ryuuk, o shinigami responsável pelo caderno, ele descobre que pode usar o caderno como bem entender. Ele então decide matar todos os criminosos do mundo de ataque cardíaco (pois caso o nome fosse escrito sem especificar a causa da morte a vitima morreria de infarto) para que o mundo visse sua marca e soubesse que há alguém julgando seus crimes. No entanto, ele mesmo diz que após matar os grandes criminosos, começará uma limpeza contra pessoas com pequenas infrações, deficientes e doentes. Ele começa a ser chamado de Kira nos recônditos da internet e das diversas mídias. As autoridades então chamam o maior detetive do mundo para descobrir sua identidade, L. Sozinho e astutamente, L descobre que Kira está no Japão e junto da policia local começa uma caçada contra ele. No entanto Light possui a vantagem de seu Pai ser o chefe das investigações e não desconfiar que ele é Kira. Assim nasce um combate mental entre Kira e L, cada um com brilhantes estratégias, deduções e investidas perigosas para Light saber qual o rosto e o nome de L e deste saber a identidade do assassino.

Veja também:  The Walking Dead: Review da 2ª temporada

Uma idéia original e que destoa completamente de tudo o que já fora visto antes na Shonen Jump. Tsugumi mostra em Death Note que tem a incrível capacidade de criar situações que parecessem sem saída e igualmente criar soluções brilhantes para ela. Com este poder, ele fez de Death Note uma história inteligente ao extremo, um jogo de xadrez (ou seria Shogi?) entre Kira e L. A trilha sonora épica, quase religiosa em alguns momentos, deixa tudo muito mais emocionante e a abertura eletrizante do anime dá o tom certo para começarmos a diversão.

Death Note L

Enquanto o jovem Yagami é sem sal, apenas um bom jogador sem escrúpulos que faz tudo pra sobreviver, L é o oposto. L é o personagem mais carismático de toda a história, sem dúvida. Um gênio introspectivo (quase autista às vezes), jamais coloca os homens sobre sua tutela ou a população em risco desnecessário. Sabe calcular como ninguém a probabilidade de fatos ocorrerem. Seu estilo de cabelos negros contrastando com a pele muito branca e olheira fundas, lhe dão um ar interessante que junto de seus trejeitos, tiques e manias o fazem ser amado por todos os fãs da série.

A história de Death Note transcorre bem nos primeiros episódios, até que um segundo Kira aparece. A idéia, a principio genial, logo é mal utilizada. Pra piorar, aparece o maior clichê de todos, Misa Amane, a pior personagem da série, uma bela e famosa jovem que a todo custo deseja se tornar namorada de Light e que é protegida pelo Shinigami Remu. Não tarda para Light usar Misa seus fins inescrupulosos.

Então de uma hora para a outra, as boas idéias de Death Note acabam e o mangá afunda, levando o anime junto, obviamente. No entanto, as pessoas continuam lendo para saber o final, o que a Shonen Jump sabia que ia aconteceria e ordenou que a história fosse estendida para lucrar mais. E então uma empresa toma a posse do Death Note, após uma jogada de mestre de Light e quando eles estavam perto de ser descobertos, a história esquenta novamente e o clímax de tudo ocorre quando o grupo de L põe as mãos no caderno. Aí, nosso caro autor Tsugumi dá um tiro no pé com uma calibre 12 (Ou seria engolir uma granada?): simplesmente ele mata o protagonista da história!!! Não, ele não mata Light Yagami, mata L!! Sim, ele era o protagonista do segundo episódio até o 25º do anime. Kira sempre nos foi secundário, era L quem mantinha Deat Note nos eixos e agora ele se foi. E então os restos mortais de Tsugumi inventam uma história sem pé nem cabeça de “dois gênios mirins rivais maluquinhos que aprontam altas confusões num orfanato do barulho” que são o legado de L. O comedor de chocolate Mello Melado perde o posto de sucessor de L para Near Noiado e vira um gangster para pegar Kira! Enquanto Near se autodenomina N e persegue o serial killer. A esse hora, existem milhares de pessoas que apóiam Kira pelo mundo, chamando-o de Deus do novo mundo.

Veja também:  Tokyo Ghoul Live Action: Veja agora o trailer do filme!

Então, com uma tremenda falta de criatividade e muita enrolação, após 12 episódios (que seriam bem mais se não tivessem retirado várias cenas do mangá), Near com ajuda póstuma de Mello desmascara Light Yagami e este acaba morto pelas mãos de Ryuuk. O episódio final até que foi emocionante, mas esta fase não (isso me lembrou do final de Dragon Ball GT que foi maravilhoso, num anime tosco).

Aquele que poderia ter sido o melhor de todos os anime/mangás tornou-se apenas uma história muito boa. Mais uma vez o dinheiro falou mais alto do que o juízo do autor e ao invés de termos um épico embate final entre L e Kira em 15 ou 20 episódios bem feitos, foram 37 episódios mal coordenados. Pelo menos o lucro foi maior! Eu realmente amo o capitalismo selvagem…

Abertura do anime:

Trivia:

A fonte do nome de L é Old English Text;

O verdadeiro nome de L é Lawliet; Ryuzaki foi o pseudônimo utilizado por L junto à polícia, sendo pronunciado no ocidente como Liuzaki;

O Final é parcialmente diferente no mangá, onde o clímax é mais simples e o final de cada personagem é definido após este;

Watari foi baseado em Dr. Watson, o melhor amigo do grande detetive Sherlock Holmes;

Há 41 regras de uso do Death Note;

Houveram 3 filmes live action japoneses contando a história do mangá, sendo o último um solo de L. Há rumores de que uma versão americana está em pré-produção.

Adicione o Heroi X no FacebookTwitter, PinterestYoutube, Instagram e Google plus. Entre no grupo HEROPOWER.

Leia Também

Yu Yu Hakushô, o Anime Perfeito

Fullmetal Alchemist: Da alquimia ao sucesso

Samurai X – O filme: O retalhador também conquista no cinema

HeroTv Episódio 2: Os Cavaleiros do Zodíaco – A lenda do Santuário

Toriko: Um mangá diferente, mas igual

115 Comments

Com a palavra você está